Temperaturas elevadas requerem cuidados redobrados para combater o Aedes aegypti

Desde a chegada da primavera, muitas capitais brasileiras estão registrando altas temperaturas. Em São Paulo e no Mato Grosso do Sul, por exemplo, no começo deste mês, os estados tiveram as maiores temperaturas desde a década 1930, com 43,5°, C em Lins, no interior de São Paulo, registrada no dia 7, e 44,6°C, em Água Clara e Paranaíba, no Mato Grosso do Sul, segundo dados dos Instituto Nacional de Metrologia (Inmet).

Diante de temperaturas tão elevadas, devemos ficar alertas para proteger a casa contra o mosquito vilão. Nessas condições, o tempo reprodutivo do mosquito fica mais curto, o que explica o aumento de casos de dengue no verão. E, por se tratar de um mosquito doméstico, grande parte dos criadouros está nas residências, o que torna essencial o monitoramento de objetos e de utensílios que possam acumular água. Como o Aedes gosta de colocar os ovos nas paredes de criadouros com água limpa e parada, é importante fazer uma boa desinfecção com água sanitária (hipoclorito de sódio com concentração de cloro ativo entre 2,0% e 2,5%).

O poder do cloro no combate de possíveis criadouros do mosquito foi comprovado cientificamente. O produto também é capaz de matar a maior parte de germes e bactérias causadores das doenças transmitidas pela água contaminada das enchentes, como leptospirose, hepatites do tipo A e E e gastroenterites.

Confira alguns cuidados básicos que ajudam a combater o Aedes:

• checar semanalmente as calhas e lajes, fazendo a limpeza quando necessário;

• limpar os pratinhos das plantas e colocar areia para evitar acúmulo de agua;

• manter baldes e garrafas viradas com a boca para baixo (isso evita que o mosquito coloque suas larvas no interior dos recipientes);

• tampar os tonéis e caixas d’água;

• manter as lixeiras cuidadosamente tampadas.

Compartilhar: