Projeto Wolbachia reduz em 75% casos de chikungunya

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgou levantamento que aponta a redução de 75% na notificação dos casos de febre chikungunya, em Niterói (RJ), após a liberação de mosquitos Aedes aegypti contaminados com o microrganismo Wolbachia, capaz de interromper a transmissão de doenças, como dengue, zika e chikungunya.

Na pesquisa, que foi realizada pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), o porcentual de queda permaneceu o mesmo em segundo monitoramento, feito em junho, o que reforça a proposta de contaminar os mosquitos.

Os dados preliminares do estudo indicam não somente uma redução dos casos de febre chikungunya, uma vez que Niterói também registrou neste ano uma baixa circulação dos vírus da zika e da dengue.

A Fiocruz informa que os vírus transmitidos por mosquitos causam diversas doenças, que são responsáveis por cerca de 700 mil óbitos humanos anualmente no mundo. No ano passado, dengue, zika e chikungunya levaram à morte 944 pessoas no Brasil.

Leia mais: Fiocruz retoma projeto com mosquitos que combatem doenças causadas pelo Aedes

Fonte: Fiocruz

Compartilhar: