Estudo realizado pela Austrália e Indonésia comprova eficácia do método Wolbachia

em

Uma pesquisa publicada na revista cientifica The New England Journal of Medicine, por meio de ensaio clínico randomizado (RCT, sigla em inglês), mostrou redução de 77% dos casos de dengue em áreas da Indonésia que receberam o mosquito Aedes aegypti com Wolbachia, O mesmo estudo também revela redução de 86% das hospitalizações nas áreas tratadas com Wolbachia e a comprovação de que a eficácia do método é equivalente para todos os quatro sorotipos de dengue.

A técnica é a mesma utilizada no Brasil pelo Método Wolbachia, iniciativa conduzida pela Fiocruz.

O ensaio Aplicando Wolbachia para Eliminar a Dengue (Applying Wolbachia to Eliminate Dengue – AWED) foi realizado pelo World Mosquito Program da Universidade Monash, na Austrália, em parceria com a Indonésia Gadjah Mada University e doadores da Fundação Tahija.  O objetivo era testar se a introdução de Wolbachia na população local de mosquitos Aedes reduziria a incidência de dengue confirmada entre pessoas de três a 45 anos que vivem em Yogyakarta, Indonésia.

Segundo Cameron Simmons, pesquisador da Universidade de Monash, na Austrália, e um dos coordenadores do estudo, o resultado demonstra que a Wolbachia pode ser um novo método para o controle da dengue seguro, sustentável e eficaz

No Brasil, o método Wolbachia  é conduzido pela Fiocruz, financiado pelo Ministério da Saúde, com apoio de governos locais. Dados preliminares das ações, na cidade do Rio de Janeiro e em Niterói apontam redução de até 77% dos casos de dengue e 60% de chikungunya nas áreas que receberam os Aedes aegypti com Wolbachia, quando comparado com áreas que não receberam.

Atualmente, o projeto está em expansão para Campo Grande (MS), Petrolina (PE) e Belo Horizonte (MG). Na capital mineira, está sendo realizado um estudo clínico similar ao conduzido pelo WMP na Indonésia. A cidade é a primeira das Américas a acompanhar casos de dengue, zika e chikungunya por meio de um estudo clínico randomizado controlado (RCT, em inglês), em conjunto com o Método Wolbachia.

Fonte: Fiocruz

Compartilhar: