Dengue e zika podem gerar imunidade cruzada por 11 anos

Os anticorpos de proteção cruzada de dengue e zika vírus duram mais tempo do que o esperado, conforme análise científica realizada com 4.189 crianças na Nicarágua durante o período de 11 anos. A pesquisa foi conduzida por cientistas da Universidade da Califórnia (UC), Universidade de Michigan e do Instituto de Ciências Sustentáveis ​​em Manágua, liderada pela Dra. Leah C. Katzelnick, da divisão de doenças infecciosas e de vacinas da Universidade da Califórnia, Berkeley (EUA).

A proteção ou imunidade cruzada ocorre quando o organismo gera uma resposta imune mais eficiente devido à memória de defesa do corpo, causada por uma enfermidade igual ou parecida anteriormente contraída, considerando que o sistema imunológico tem imunidade inata e a adaptativa. A inata é a primeira proteção do corpo, a que nasce com cada indivíduo e serve para combater qualquer micro-organismo, enquanto, a adaptativa produz uma defesa específica para cada corpo estranho, sendo mais eficiente.

Os linfócitos T, que identificam e matam células infectadas, e os linfócitos B, que fabricam anticorpos, são as células responsáveis por esse processo. Quando há o primeiro contato com qualquer corpo estranho, as células da imunidade inata entram em ação para tentar barrá-lo e, ao mesmo tempo, enviam um sinal para que a imunidade adaptativa produza anticorpos e uma defesa mais eficiente e duradoura para combatê-lo.

No caso do zika vírus e dengue, os estudiosos tiveram um primeiro indício deste conceito, quando começaram a observar a epidemia de zika de 2015, que ocorreu em diversos países da América Central e Sul. Eles notaram que a incidência de dengue caiu drasticamente em meio ao surto de zika. Como dengue e zika fazem parte da mesma família do flavírus, os pacientes que se recuperaram da dengue teriam anticorpos de proteção cruzada capazes de neutralizar a dengue e o zika.

Ao contrário do que os estudos anteriores apontavam, a pesquisa apontou que a imunidade não dura apenas dois anos, mas 11 anos. A análise envolveu o exame de vários sorotipos de dengue, definidos como sorotipos 1, 2, 3 e 4.

Os estudiosos que tiveram sua pesquisa publicada na revista científica Science Translational Medicine, esperam ampliar a compreensão sobre imunidade natural e induzida pela vacina.

Compartilhar: