Saliva do Aedes pode ajudar no tratamento doenças inflamatórias intestinais

Desta vez vamos falar bem do mosquito Aedes aegypti! Uma pesquisa liderada pelo Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP, em parceria com a Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) da USP, Instituto Butantan e os Institutos Nacionais de Saúde (NIH), dos EUA, mostrou que o mosquito transmissor de doenças como a dengue,…

Cloro ganha mais um aliado na luta contra o Aedes

O combate contra o Aedes aegypti não pode parar e a melhor estratégia é realizá-lo durante todo o ano. Com a aproximação da época das chuvas, o monitoramento dos pontos de proliferação do mosquito deve ser intensificado com o objetivo de fazer um trabalho de prevenção, colaborando para manter os índices sob controle no período…

5 curiosidades sobre Aedes

O mosquito Aedes aegypti, vetor de doenças como dengue, zika e chikunguya e febre amarela, é um velho conhecido no Brasil, desde o período colonial. Confira abaixo cinco curiosidades sobre esse vilão: ● O Aedes aegypti está presente em quase todo continente Americano, com exceção do Canadá e do Chile, que estão livres do vetor…

Eletrodomésticos também podem ser foco do mosquito

Não é novidade que locais como caixas d’ água, piscina, pratinhos  que ficam embaixo de vasos de planta, sacos de lixo, baldes entre outros utensílios podem acumular água parada e ser criadouros  Aedes aegypti, vetor doenças como dengue, zika e chikungunya.  Mas é preciso também prestar atenção aos eletrodomésticos que podem armazenar água, como ar-condicionado…

Cuidado! Carros abandonados são criadouro do Aedes

Você sabia que, além de servirem de abrigo para ratos e baratas, automóveis abandonados também são criadouros do mosquito Aedes aegypti? Com o tempo, o acúmulo de sujeira e de água parada acaba sendo a morada perfeita para o transmissor da dengue,  chikungunya e zika. Segundo reportagens publicadas no ano passado pelos portais G1 e…

Liberação de método Wolbachia chega a todas as regiões de Belo Horizonte

Nesta segunda-feira (31/05), a prefeitura de Belo Horizonte (PBH) libertou novos mosquitos Aedes aegypti com Wolbachia em três regionais: Barreiro, Leste e Oeste da capital mineira. A ampliação do método foi feita de forma gradativa e, atualmente, a estratégia abrange as nove regiões da cidade, com áreas selecionadas para a implantação. O Wolbachia é microrganismo…