Casos de dengue crescem 95% e Brasil vive epidemia

em

O Brasil registrou neste início de ano – de janeiro até o dia 9 de abril – um total de 393.967 casos prováveis de dengue, aumento de 95,2% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo o mais recente boletim epidemiológico do Ministério da Saúde. Foram registradas no período 79 mortes causadas pela picada do  Aedes aegypti.

A região Centro Oeste apresenta a situação mais grave, com 732,6 casos por 100 mil habitantes. Tem chamado atenção o forte espalhamento da doença na região Sul, que aparece na segunda pior posição, com 272,1 casos por 100 mil habitantes. Na sequência aparecem as regiões Norte (138,8 casos/100 mil hab.), Sudeste (132,7 casos/100 mil hab.) e Nordeste (75,7 casos/100 mil hab.) 

Os casos de chikungunya e zika também registraram aumento, de 26,3% e de 31,8%, respectivamente em relação ao ano anterior.

A tendência, segundo os especialistas, é de avanço do número de casos de doenças transmitidas pelo Aedes até maio. A partir do mês de junho, quando as temperaturas começam a baixar em grande parte das cidades brasileiras, a doença causada pelo mosquito deve diminuir.

A explosão de casos das doenças provocadas pelo Aedes aegypti está relacionada a temporada intensa de chuvas de verão no começo do ano (para se reproduzir o mosquito precisa de água parada),  a redução de ações de vigilância por autoridades de saúde durante os quase dois anos de pandemia e também foi agravada, segundo especialistas, pela piora das condições de moradias decorrente do empobrecimento da população.

Entre os cuidados para evitar a reprodução do mosquito e eliminar possíveis criadouros, está o uso da água sanitária, que é quase 100% eficaz no combate às larvas do inseto, conforme já comprovado por estudos científicos. 

A água sanitária, produto derivado do cloro, deve ser utilizada na limpeza de lixeiras de plástico, vasos sanitários, caixas d´água, ralos de pias, tanques, cozinha, banheiros.  Confira como usar o produto em http://www.abiclor.com.br/agua-sanitaria-mata-a-larva-da-dengue-chinkungunya-e-zika-virus/

 

Fonte: Ministério da Saúde

Compartilhar: