Zika vírus pode ajudar a reduzir tumores cerebrais, mostra pesquisa da USP

Um estudo do CEGH-CEL (Centro de Estudo sobre o Genoma Humano e Células-Tronco) da Universidade de São Paulo,em parceria com o Instituto Butantan, chegou a uma descoberta inovadora: o zika vírus pode ajudar na regressão de tumores agressivos do sistema nervoso central. Em entrevista ao portal Uol, Mayana Zatz, diretora do CEGH-CEL, disse que a…

Você conhece a doença canina transmitida pelo Aedes aegypti?

A dirofilariose ou ‘verme do coração’, como é conhecida, é uma enfermidade que atinge cães e pode ser perigosa, pois no início o animal não apresenta sintomas. Apenas no estado mais crítico surgem sinais como dificuldade para respirar, cansaço e o ritmo de pulsação cardíaca fica mais acelerado, podendo levar à morte. A doença é…

Liberação de método Wolbachia chega a todas as regiões de Belo Horizonte

Nesta segunda-feira (31/05), a prefeitura de Belo Horizonte (PBH) libertou novos mosquitos Aedes aegypti com Wolbachia em três regionais: Barreiro, Leste e Oeste da capital mineira. A ampliação do método foi feita de forma gradativa e, atualmente, a estratégia abrange as nove regiões da cidade, com áreas selecionadas para a implantação. O Wolbachia é microrganismo…

Rio Grande do Sul tem maior surto de dengue da década

Em apenas cinco meses, o Rio Grande do Sul registrou o maior número de casos de dengue desde 2010, quando a série histórica começou a ser contabilizada. Segundo o último informativo epidemiológico divulgado pelo estado, foram confirmados 5.790 casos da doença até 15 de maio deste ano. Chama atenção o fato de 97% dos casos…

Farmacêutica japonesa cria vacina contra dengue e pede registro na Anvisa

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) recebeu o pedido de registro de vacina contra a dengue da farmacêutica japonesa Takeda. A TAK-003 protege contra os quatro sorotipos e pode ser aplicada em pessoas entre 4 e 60 anos que contrariam ou não a enfermidade. A vacina é feita por uma versão enfraquecida do vírus,…

Pessoas que tiveram dengue têm duas vezes mais propensão de desenvolver a forma sintomática do coronavírus

Estudo divulgado nesta quinta-feira (06/05) na revista Clinical Infectious Diseases sugere que as pessoas que já tiveram dengue no passado são duas vezes mais propensas a desenvolver sintomas da COVID-19, caso sejam infectadas pelo novo coronavírus. Pacientes que tiveram dengue são duas vezes mais propensos a desenvolver a forma sintomática covid-19, segundo pesquisa coordenada pelo…